Germinal – Educação e Trabalho

Soluções criativas em Educação, Educação Profissional e Gestão do Conhecimento

O uso do vídeo na educação – Uma segunda chance 28 de setembro de 2010

Um filme denominado Uma segunda chance pode ser usado para discutir a dinâmica das funções conscietes de Jung : pensamento, sentimento, percepção e intuição. O filme  é um exemplo do processo de integração da função inferior ao conjunto das funções concientes da psiquê .

No início da história, um brilhante advogado é retratado. A própria natureza da atividade do personagem indica o uso da função pensamento como função superior. No retrato do cotidiano, o advogado é mostrado como uma pessoa fria e distante. O trabalho deixa pouco espaço para a relação familiar. A sua relação com o outro é utilitária e não consegue expressar os seus sentimentos para ninguém, nem para a esposa ou a filha. Não parece ter uma vida feliz.

Ao comprar cigarros em estabelecimento comercial que está sendo assaltado, o advogado é ferido gravemente na cabeça. O tiro afeta o cérebro e o faz perder a memória (e com ela todos os conhecimentos anteriores), os movimentos e a fala.

O processo de recuperação em uma clínica especializada envolve fisioterapia e reaprendizagem de praticamente tudo: falar, andar, relacionar-se… É como uma volta à primeira infância. A competência de relacionamento com o mundo foi abrupta e radicalmente reduzida. Tudo tem de ser reaprendido. Um fisioterapeuta é seu ego auxiliar nesse momento.

Apartado da família e isolado na clínica, o personagem vai recuperando as habilidades mais básicas de relacionamento com o outro e com o mundo. Uma mudança de forma e de disposição na relação, no entanto, vai ficando clara. Agora ele interage com as situações a partir de valorizações e de afetos. A função inferior, sentimento, começa a ganhar predominância na orientação geral do comportamento. As falas do personagem passam a ser pontilhadas de “eus gostares”, de “eus quereres”, de “eus sentires”…

Já de retorno ao lar, o processo de desenvolvimento continua, agora assistido pela filha (ela o reensina a ler, por exemplo). O ponto de apoio da retomada continua sendo a função inferior e os mais próximos espantam-se com sua mudança . Uma passagem crucial é a volta ao trabalho. Ali, o personagem apoiado pela função superior, pensamento, tinha prosperado e feito carreira. Mesmo ainda não sofisticada e diferenciada, a nova orientação é perceptível. É vista na nova forma de ele tratar as pessoas. É notada na descoberta de uma omissão durante um processo (feita por seu “outro eu”), com o único intuito de ganhar a causa, na base do “os fins justificam os meios”.

Com base na nova orientação, que prioriza os valores, questiona a condução anterior do processo. Como conseqüência, passa a ser impedido de ter acesso aos arquivos da companhia. Henry, o advogado, torna-se perigoso por seguir, sem hesitação, os ditames da nova orientação. Essa inocência é uma característica da criança e de quem está integrando a função inferior. Há uma entrega sem limites à nova forma de orientação e a pessoa não consegue perceber e jogar com outras alternativas. Além de ser incapaz de mostrar o desempenho anterior, o que traz de novo põe em questão a forma de proceder da firma. Henry passa a ser ridicularizado nos bastidores.

Quando percebe sua inadequação, um momento crítico no processo de desenvolvimento, o advogado é procurado pelo seu fisioterapeuta. Eis o diálogo deles:

Henry:    Pensei que podia voltar à minha vida, mas não posso. Eu não gosto de quem eu era. Eu não me encaixo.

Fisioterapeuta:      Tenho problemas nos joelhos. Tenho joelhos ruins. Pergunte por quê.

Henry:    Por quê?

Fisioterapeuta:      Por quê? Futebol. Estraguei os joelhos jogando futebol. Cara, o futebol era a minha vida. O que mais havia? Mais nada. Entrada da área. O filho da mãe atirou uma espiral perfeita… e eu peguei. Caiu do céu. Foi o auge. Veio o bloqueio e senti os joelhos estalarem… E sabia que já era. Fim de jogo. Estava acabado. Minha vida acabara, Henry. Agora pergunte se ligo para meus joelhos.

Henry:    Você liga…

Fisioterapeuta:      Não! De jeito nenhum. Foi um teste. Tinha que me reencontrar. O fisioterapeuta que me fez andar era tão seguro. Pensei: é o que quero fazer. Quando contei, os meus colegas riram. Chamaram-me de enfermeira e tudo o mais. Mas, olhe bem. Você está andando. Está falando e bebendo cerveja da boa. Tenho algo a ver com isso. Não fosse o meu joelho e eu não o teria conhecido. Não me importo de ter joelhos ruins. Não! Vou lhe dizer algo. Não dê ouvidos a quem tenta dizer o que você é. Pode levar algum tempo, mas vai se descobrir.

Similarmente à aventura do personagem, a incorporação da função inferior implica, sempre e em certa medida, um mergulho no inconsciente. É daí que ela emerge em estado bruto, energicamente carregada, plena de frescor e de inocência. Se o abandono da  função superior é doloroso, ao mesmo tempo favorece uma renovação de vida e abre caminho para a criação do novo e para um reencontro consigo mesmo. Ao incorporar a função sentimento, Henry se renova e parte para a busca de uma vida revigorada de sentido.

O texto anterior foi retirado, com pequenas alterações, do livro Ritos de Passagem – Gerenciando pessoas para a qualidade, de José Antonio Küller, Editora Senac/SP, 1996.

 

Ó Xente, Pois Não 20 de agosto de 2009

 

Com este post, iniciamos uma nova categoria do blog: Uso Didático de Vídeos. Vamos começar com o exemplo de uma forma de utilização, para fins de aprendizagem, do documentário Ó XENTE, POIS NÃO (Direção de Joaquim de Assis. Rio de Janeiro: Produtora Zodíaco / FASE. 1983. 1 videocassete (25 min), VHS/NTSC, son., color).

 

O texto incluído a seguir faz parte das Referências para a Ação Docente, do Projeto de Desenvolvimento Sustentável do Turismo, do Projeto Trilha Jovem, desenvolvido pela Germinal Consultoria e hoje implementado em 10 destinos turísticos brasileiros.

 

1. Aquecendo

Faça uma recepção individual e amigável aos participantes. Convide-os a escolher seus lugares no semicírculo previamente preparado com o número exato de cadeiras a serem ocupadas. Quando estiverem todos sentados, dê-lhes as boas vindas e apresente-se pelo nome, se ainda não conhecer a classe (em painel).

 

Diário de Bordo

Identifique o responsável pelo Diário de Bordo. Solicite silêncio e atenção para a leitura do texto do relator. Após a conclusão, o atual responsável pelo Diário de Bordo escolhe o novo relator, encarregado do relatório do dia e que será lido na próxima aula.

 

Competências e objetivos

Apresente as competências específicas que serão constituídas através do Projeto Desenvolvimento Sustentável do Turismo. Depois, apresente os objetivos do dia de trabalho que se inicia.

 

Homem e jegue - Mestre Vitalino

Homem e jegue - Mestre Vitalino

Projeção de documentário: “Ó Xente, pois não”

Anuncie a projeção do documentário “Ó Xente, pois não!”. Dê algumas referências sobre o filme no sentido de criar expectativa e estimular a atenção do expectador. Informe que o documentário é sobre uma comunidade camponesa no agreste de Pernambuco e sua árdua luta pela sobrevivência. É reconhecido pela sua qualidade como obra cinematográfica. Informe que as imagens do filme são muito bonitas, mas que a fala é muito importante. Peça que todos mantenham a concentração durante a projeção para entenderem o que as pessoas da comunidade retratada dizem durante o filme. Antes de iniciar a exibição, solicite que cada jovem escolha e registre a fala mais bonita do documentário.

 

Após o filme: impressões e debate

Após a apresentação do documentário, aguarde alguns instantes para que cada um escolha a fala que considerou mais bonita, a que mais gostou ou a que mais o sensibilizou. Organize uma rodada de falas: um a um, os jovens dizem a fala mais bela. Ao final, você revela a frase que escolheu. Estimule, a partir deste momento, comentários sobre o filme. Deixe que expressem espontaneamente suas impressões, num primeiro momento. Depois, oriente os comentários em torno do projeto do açude, da caixa para emergências, do projeto da vassoura, enfim de todas as estratégias que aquela comunidade encontrou para resolver seus próprios problemas. Chame atenção para o processo de tomada de decisões e de planejamento adotados pela comunidade antes de empreender uma ação. Não deixe de destacar a natureza das relações interpessoais da comunidade, essencialmente solidárias e cooperativas, importantes para o desenvolvimento de qualquer projeto coletivo. Por fim, finalize apontando as ações comunitárias apresentadas no filme como exemplos de medidas que transformam a realidade social, sem depender do poder público. É sobre essa possibilidade de transformação que será desenvolvido o Projeto de Promoção do Desenvolvimento Sustentável do Turismo.

 

Aprender a aprender 30 de junho de 2009

Com o vídeo Aprendre a Aprendre, iniciamos uma nova categoria no blog: Educação Em Vídeo.


Sobre o vídeo, como um comentário breve, é importante destacar as características indispensáveis à incorporação dos esquemas operatórios do aprender com autonomia, que estão presentes na primeira fase do vídeo:

  1. o despertar do interesse pela aprendizagem;
  2. o lançamento, pelo mestre,  de um desafio (problema, projeto) passível de ser superado pelo aprendiz (o vaso de cerâmica);
  3. a indicação do resultado esperado (o vaso) e não do processo de obtenção dele;
  4. a indução, pelo mestre, da repetição do processo de fazer – refletir –  refazer;
  5. o mestre espera, com paciência e a distância que o aprendiz supere o desafio;
  6. a valorização do resultado obtido (o abraço).

Já na segunda parte do vídeo, o processo educativo tem caracaterísticas diferentes.


Utilizando essa diferença entre as duas partes do vídeo, em capacitação de educadores, sugere-se a seguinte forma de explorar o recurso:


 

1. Solicitar que os professores em capacitação relacionem as características do aprender a aprender presentes na primeira etapa do vídeo, como fizemos acima.


 

2. Depois, perguntar pela diferença entre os dois momentos educativos (confecção do vaso e a sequência posterior);


 

3. Lançar a pergunta: a segunda parte do vídeo pode ser considerada uma forma de facilitar o aprender a aprender, como foi a primeira?


 

4. Debater;


 

5 Concluir.

 

Plano de Vida e carreira 26 de setembro de 2008

 

Esta é uma amostra do trabalho desenvolvido para o Trilha Jovem. A primeira versão do Projeto Trilha Jovem derivou de uma proposta curricular desenvolvida, em 2001, pela Germinal Consultoria para o Instituto de Hospitalidade (IH), de Salvador, na Bahia. Essa primeira versão foi alterada pelo IH nas primeiras implementações. Depois, a versão original e a inicialmente implementada foram fundidas na versão atual. A Germinal também contribuiu nesse trabalho. Por fim, a partir da crítica, sistematização, reformulação e ampliação dos planos de aula utilizados nas primeiras implementações, a Germinal criou as Referências para a Ação Docente, que são manuais que apresentam sugestão, passo a passo, de desenvolvimento de todas as unidades curriculares do Projeto. Para mais informações sobre o Trilha Jovem, clique aqui.

 

O texto a seguir é a referência para a ação docente no desenvolvimento de uma das Sessões de Aprendizagem do Plano de Vida e Carreira, projeto articulador do Eixo III – Construir um Plano de Vida e Careira – do Projeto Trilha Jovem. O excerto foi retirado das Referências para a Ação Docente, desenvolvidas pela Germinal e publicadas pelo Instituto de Hospitalidade. O texto não foi originalmente editado da forma como é apresentado aqui. Ele constitui apenas uma amostra do trabalho da Germinal na formatação de programas de educação básica para o trabalho.

 

Dois textos já publicados aqui no blog fundamentam a escolha do conteúdo e e a opção metodológica utilizada na aula apresentada e na unidade didática Projeto de Vida e Carreira. Para acessar o texto Reflexões em torno de uma Oficina de Apresentação Pessoal, clique aqui. Para acesso ao texto Como trabalhar metodologias na educação profissional, clique aqui.

 

 

Plano de Vida e Carreira

Sessão 1/7

Competências

Situação de Aprendizagem

Recursos

Tempo

 

Reconhecer os próprios valores e/ou pontos fortes.

 

Manter a auto-estima, ampliando continuamente qualidades e potencialidades.

 

1. Cenário e aquecimento.

TV, vídeo, câmera. Retroprojetor e transparência. Espelhos, caixa de papelão e cartazes. Som e música suave.

 

5’

2. A estética de si.

Texto de apoio. Câmera, vídeo e TV.

70’

3. Definindo estilo.

 

30’

4. Apresentação individual 1.

Som e música do jovem.

5’

INTERVALO

15’

5. Apresentação individual 2.

Som e música do jovem.

5’

6. Qual é o meu estilo de vida?

DVD, vídeo e Câmera de vídeo.

60’

 

7. Plano de Vida e Carreira.

Folhas de papel colorido A4. Capas de acetato transparente.

45’

8. Apresentação individual 3.

Som e música do jovem.

5’

         

 

Objetivos

1.      Promover a integração do grupo sob o tema Plano de Vida e Carreira.

2.      Mobilizar o grupo para a elaboração de um Plano de Vida e Carreira.

3.      Estabelecer a referência básica sobre a qual os planos serão construídos (estética de si).

4.      Iniciar o processo de autoconhecimento dos participantes.

5.      Apresentar uma proposta de projeto e aprimorá-la com a contribuição dos jovens.

 

 

 Descrição das situações de aprendizagem

 

1. Cenário e aquecimento

Antes do início e da entrada dos participantes, reduza a luz da sala, se possível. Coloque um fundo musical suave e que induza à reflexão (Adágio, de Abinoni, por exemplo. Ver uma gravação disponível em: KARAJAM, V.H. Karajan Forever. Hamburgo, Deutsche Grammophon, 2003.) Projete numa das paredes da sala o poema “Traduzir-se”, de Ferreira Gullar.

 

Free pictures - fog, trees, nature picture, by coba
Free pictures – fog, trees, nature picture, by coba

Texto de Apoio: Traduzir-se

 Uma parte de mim
 é todo mundo:
 outra parte é ninguém:
 fundo sem fundo.

 Uma parte de mim
 é multidão:
 outra parte estranheza
 e solidão.

 Uma parte de mim
 pesa, pondera:
 outra parte
 delira.

 Uma parte de mim
 almoça e janta:
 outra parte
 se espanta.

 Uma parte de mim
 é permanente:
 outra parte
 se sabe de repente.

 Uma parte de mim
 é só vertigem:
 outra parte,
 linguagem.

 Traduzir uma parte
 na outra parte
 – que é uma questão
 de vida ou morte –
 será arte?

Ferreira Gullar

 

 

 

Nas demais paredes, fixe espelhos de diversos tamanhos e em diferentes alturas, na maior quantidade possível.

Tiny Blue Opening in White Wall, Kazuya Akimoto Art Museum

 

Se não for possível conseguir espelhos de outra forma, pode-se solicitar aos jovens, também na aula 6/7 da oficina de Empreendedorismo (Eixo II), que tragam um espelho de suas casas, neste dia.  Se for difícil fixar os espelhos na parede, outras alternativas de distribuição dos espelhos pela sala podem ser experimentadas.    

 
 
 
 
 

 

 

 

 

 

 

Se possível, coloque uma câmara de vídeo, ligada e bem visível, repousando sobre uma mesa. O uso da câmera de vídeo enriquece a dinâmica e a discussão posterior, entretanto não é essencial para esta atividade.

 

Ponha, no centro da sala, uma caixa de papelão com a tampa aberta. A caixa deve ter, no fundo, um espelho. Fixe um cartaz na caixa ou ao lado dela. No cartaz deverá estar escrito: “Aqui está a melhor solução para os desafios da sua vida e para o seu sucesso profissional”.

 

Em uma parede da sala fixe um cartaz com os dizeres: Mural das Qualidades Humanas. Por fim, arrume as cadeiras em semicírculo, em torno da caixa.

 

Com a sala pronta, 5 minutos antes do horário previsto para o início da aula, coloque-se perto da porta para receber os participantes. Peça que os jovens entrem e tomem seus lugares. Informe que a aula logo vai começar. Passados cinco minutos da hora prevista, faça a luz retornar à sua intensidade normal.

santosdecasa.blogspot.pt

santosdecasa.blogspot.com

Apresente-se rapidamente à classe. Em pé, na frente da sala, diga que você também fez o exercício solicitado a todos. Revele aquela que você considera a sua qualidade humana fundamental. De forma bem sintética, descreva o acontecimento que, durante a sua vida, mais contribuiu para o desenvolvimento dessa qualidade. Por fim, coloque para tocar a música escolhida por você.

 

 

 

 

 

 2. A estética de si

Em painel, faça a distribuição do texto de apoio “Estética de Si”. Solicite uma leitura individual do texto.

 

 

O termo “em painel” indica a situação didática em que todos estão reunidos, preferencialmente em semicírculo e acontece uma atividade ou debate aberto coordenado pelo educador.

 

 Camille Claudel, A Valsa

 

 

 

 

Texto de apoio: ESTÉTICA DE SI

Muitas vezes nos pegamos pensando no que fazer com nossas vidas, Jaime, um garoto de 15 anos, estava num desses dias. Certa vez, passeando num shopping com os amigos, ganhou um folheto que dava direito a participar de uma promoção: uma leitura de mão inteiramente gratuita por uma cigana! Na brincadeira, Jaime foi até a tenda da cigana e ouviu tudo o que ela tinha a lhe dizer sobre sua vida. Depois daquilo, de vez em quando, pegava-se pensando na história: Será que existe mesmo um destino já traçado? Se existir, isso será bom ou ruim? E se não existir, o que será que me acontecerá? O que farei com a minha vida?

Na Antigüidade Clássica, os gregos usavam uma bela imagem para dizer o ser humano: cada um de nós é semelhante a um pequeno barco que deve atravessar um oceano. Devemos realizar nossa travessia no tempo. Somos seres temporais: nascemos e vamos morrer. A consciência da morte nos remete a nossa condição temporal. A vida se constitui nesse movimento incessante que nos atravessa desde o nascimento e continuará após nossa morte. Assim, a morte deve ser entendida como um acontecimento a mais nesse movimento que é a vida.

[….] Agimos no mundo movidos pelos desejos. Nossas atividades, racionais e físicas, estão sustentadas pelo desejo de nos tornarmos seres humanos. Apropriarmos do leme de nossas vidas e realizar a travessia é realizar uma ética fundada na estética: fazer da própria vida uma obra de arte.

A nós compete a tarefa artística de instaurar na vida a beleza. Para fazer da vida uma obra de arte, é necessário assumir a mesma posição do artista: ser criador. Mas as condições existentes em nossa sociedade se impõem como adversas à criatividade. […]

 

 

 

 

 

A ética como uma estética da existência

Uma ação ética fundada na produção da beleza não pode simplesmente deixar de lado essas condições adversas. Mas também não pode e não deve sucumbir a elas. Trata-se de encarar a vida como uma matéria-prima na qual vamos imprimindo as formas, esculpindo os contornos, tal como o escultor Michelangelo em sua pedra de mármore. A vida é nosso mármore, devemos esculpi-lo, criar um estilo, uma forma de viver, um jeito de ser feliz e, assim, afirmar a beleza. Dar forma à vida é a tarefa ética que nos compete como seres humanos. Nisso exercemos nossa condição de liberdade. Somos livres para fazer de nossas vidas uma obra de arte. Instaurar a beleza com todas as suas múltiplas formas. […]

 

O estilo e a singularidade de cada um

Dar forma à vida é criar um estilo. A origem etimológica da palavra estilo atesta essa dimensão artística que estamos querendo imprimir à ética. No latim, o termo stilu designa um instrumento com ponteira de osso, de chifre, de madeira ou de metal, usado para escrever sobre a camada de cera das tábuas, e com uma extremidade em forma de espátula para anular os erros gráficos. […]

O estilo é, então, um compromisso entre as duas práticas possíveis: o uso da ponta para escrever e o uso da espátula para apagar. Um instrumento que nos possibilita escrever nossos desejos sobre a tábua áspera do mundo e também esquecer os erros e seguir adiante nessa travessia temporal. Nietzsche dizia que só o esquecimento pode nos aproximar da felicidade. Escrever é aqui entendido como a capacidade de abandonar os ressentimentos e projetar-se em direção ao desconhecido, criando o futuro com as próprias mãos.

Para transformar a vida em obra de arte é necessário agir como o artista: apoderar-se do estilo e inscrever seu desejo na matéria do mundo. Neste ponto, podemos identificar o sentido da palavra estilo, tal como é utilizada nas artes plásticas: o conjunto de elementos capazes de imprimir graus de valor às criações artísticas pelo emprego de meios apropriados de expressão, tendo em vista a produção estética. […]

Fernando Pessoa, o grande poeta da língua portuguesa, escreveu: “Navegar é preciso, viver não é preciso”. Não há precisão nesta vida. Nada é certo, tudo é incerto. Então, navegar é preciso. Se as contingências desta vida se impõem como limite de nossas vontades, então, é preciso navegar. Se a vida deveria ser bem melhor do que é, então, é preciso navegar. Fazer da vida uma obra de arte é nossa direção. Alçar âncoras e navegar é a exigência ética fundamental.

 

Excertos retirados de Gallo, S. (coordenador). Ética e cidadania – Caminhos da filosofia. Campinas, Papirus Editora, 1998, p.95.

 

 
 
 
Quando cerca de 50% dos participantes já tiverem terminado, interrompa a leitura. Neste momento, a maioria dos jovens já deve estar próxima do fim do texto. Informe aos que não terminaram a leitura que não serão prejudicados. A leitura da última parte do texto vai ser retomada logo a seguir.
 
 
 

 

Dance of Life, Kazuya Akimoto Art Museum

 

 

Aumente o volume do aparelho de som. Solicite que os jovens façam uma exploração silenciosa do cenário. Peça que circulem pela sala e observem tudo. Fale para dar uma atenção especial ao poema projetado, aos espelhos e à caixa no centro do círculo de cadeiras.  Grave em vídeo a movimentação e reação dos participantes, se possível.

 

Interrompa a cena quando a concentração diminuir e as primeiras manifestações de crítica e análise da ação começarem. Estando todos novamente sentados, incentive os comentários sobre a vivência. Cada jovem deve manifestar as suas sensações ao enfrentar a experiência, especialmente em relação ao espelho no fundo da caixa. Depois deixe livre a conversa. Quando ela começar a concentrar-se em apenas alguns participantes, projete a gravação da cena.

 

Depois da projeção, promova uma rodada de falas onde a palavra é passada apenas aos que ainda não se manifestaram. Na ausência de gravação, passe diretamente para a rodada de falas. Ao término dela, inicie uma discussão orientada para uma comparação entre o poema (“Traduzir-se”) e a vivência.

 

 3. Definindo Estilo

Em painel, solicite um voluntário para fazer, em voz alta, uma leitura do primeiro parágrafo da última parte do texto “Estética de Si” (A ética como uma estética da existência). Promova uma discussão para uma exploração coletiva da compreensão desse parágrafo. Oriente a discussão não deixando que ela se desvie do tema.

 

Quando esgotada a compreensão do primeiro parágrafo, passe para a leitura do segundo, que inicia o sub-tópico: O estilo e a singularidade de cada um. Repita a solicitação de um voluntário para fazer a leitura em voz alta. Incentive a interpretação do grupo, intervindo na discussão com intensidade menor que a usada no primeiro parágrafo.

 

Repita o mesmo procedimento para o terceiro, quarto e quinto parágrafos. Ao fim da discussão, registre a definição de estilo na lousa.

 

 

Estilo = conjunto de elementos capazes de imprimir graus de valor às criações artísticas pelo emprego de meios apropriados de expressão, tendo em vista a produção estética.

 

 

 

Anime uma discussão sobre o conceito proposto e análise da sua aplicação ao estilo de vida, usando as seguintes igualdades, também registradas na lousa, em que os termos marcados com o ponto de interrogação são preenchidos mediante contribuições dos jovens.

 

Criações estéticas = vidas

Elementos capazes de imprimir valor à vida =  ?

Ou elementos capazes de transformar a vida em uma obra de arte =

·         ?

·         ?

·         ?

·         ?

 

 

 4. Apresentação individual 1

 

PEMBA - noite de luar na praia do Wimbe - Moçambique

PEMBA - noite de luar na praia do Wimbe - Moçambique

 

 

Em painel, antes do intervalo, promova a apresentação da primeira música escolhida por um dos jovens (dinâmica da música do participante). Os jovens, a cada oportunidade, por iniciativa individual, definem a ordem de apresentação. Antes de colocar sua música para tocar, o jovem revela o que considera a sua melhor qualidade e fala sobre o acontecimento da sua vida que foi fundamental no desenvolvimento dessa qualidade.

 
 

 

 

 

 

 

 

Como já foi observado na orientação para essa atividade, a fala pode ser eventualmente suprimida por opção do jovem. Mantida a versão mais dramática, a fala e a audição da própria música deverá ser em pé e na frente de todo o grupo.  Depois da audição da música, fixe duas tarjetas, uma com o nome do participante e outra com sua principal qualidade, lado a lado, abaixo do cartaz fixado na parede, iniciando o Mural das Qualidades Humanas daquela classe.

 

 

5. Apresentação individual 2

 Depois do intervalo, solicite a apresentação por um segundo jovem da sua música e de seu episódio de desenvolvimento da qualidade pessoal. Repita, nessa e nas demais apresentações individuais, o procedimento da primeira apresentação.

 

 

6. Qual é o meu estilo de vida?

 Inicie a situação de aprendizagem projetando o vídeo Por Acaso Gullar (Direção de Rodrigo Bittencourt e Marta Resende. Rio de Janeiro: Atitudes Produções, 2006. 1 vídeo (10 min), son., color. Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/Filme.asp?Cod=4849 ).

 

Promova, depois, uma breve discussão do filme e dos atributos que conferem valor à vida de Gullar. Interrompa a discussão em um momento apropriado e solicite que, em cerca de 5 minutos, cada um se prepare para uma fala de 1 minuto (no máximo), sobre o seu estilo de vida ou sobre o que confere valor à sua vida, hoje.

 

Terminado o preparo, defina uma ordem para uma rodada de apresentações individuais: cada jovem diz o seu nome e verbaliza a fala preparada. Grave em vídeo a apresentação de cada jovem, se possível. No caso da gravação ser possível, o vídeo resultante pode ser editado e, eventualmente, usado na programação do evento de inserção profissional previsto para o final do programa Trilha Jovem.

 

7. Plano de vida e carreira 

 Ainda em painel, apresente as competências a serem desenvolvidas pela atividade de projeto.

Blossoming Almond Branch in a Glass with a Book - Van Gogh

 

Anuncie que, para o desenvolvimento das competências, será desenvolvido um projeto. Apresente a proposta do projeto a ser desenvolvido: cada jovem irá produzir um livro de arte, denominado: “Minha Vida, Minha Carreira”.

 

O livro será construído a partir do registro e da ilustração das atividades realizadas em sala de aula ou desenvolvidas autonomamente pelo jovem. O livro terá como função didática: o registro do Plano de Vida e Carreira; o registro dos exercícios desenvolvidos em sala (relacionados com a elaboração do Plano de Vida e Carreira) e constituir-se como objeto de identificação e apresentação de cada jovem.

 

 Cada livro deve ser uma obra de arte que apresenta e ilustra a construção de uma proposta de transformação da vida do autor em outra obra de arte. Para o trabalho, cada jovem contará com 30 folhas de papel A4 colorido e duas capas de acetato transparente. As capas poderão ser ilustradas e outros materiais poderão ser utilizados para compor a capa. O livro deverá ter um mínimo de 25 páginas. Os livros serão expostos no evento de inserção profissional, no encerramento do Trilha Jovem.

 

 Promova a discussão, adaptação e aprimoramento da proposta do projeto pela classe. Registre a versão final do projeto que será executado. Finalize a discussão da proposta de projeto, distribuindo o material necessário (folhas e capas) para os jovens.

 

Primeiras folhas do livro: Faça a sugestão para a(s) página(s) do livro que pode(m) representar a Aula 1/7: uma folha ilustrada que contenha o nome do jovem, a sua principal qualidade, uma breve descrição do acontecimento vital que a impulsionou e a letra da música escolhida. Ao final do programa, o Mural das Qualidades Humanas poderá ser o conteúdo de outra página.Observe, por fim, que as páginas não precisam ser organizadas na mesma seqüência das aulas, não precisam registrar passo a passo as suas atividades e nem ficar restritas ao conteúdo delas.

 

 Atenção: na seqüência dos planos, em vários momentos, sugere-se a inclusão de conteúdos no livro “Minha Vida, Minha carreira” e a utilização de suas páginas como recurso. Observe-se em geral, porém, que a decisão sobre a inclusão de conteúdos e sobre a utilização de suas páginas é, em última instância, do jovem.

Log Book: Apresente a proposta do Log Book para o Eixo III. Diferentemente dos outros Eixos, todos os participantes deverão registrar as atividades e redigir o Log Book, todos os dias. Para tanto, cada jovem receberá 30 folhas de papel sulfite para redigir o seu Log Book. A cada dia, um dos jovens será sorteado para fazer a leitura do seu relato da aula anterior.

  

 8. Apresentação individual 3 

 Solicite a apresentação, pelo terceiro jovem, de sua música, sua qualidade e seu acontecimento. Dê continuidade à construção do Mural das Qualidades Humanas.

 

Observações:

1.      Solicite que os jovens tragam, para a próxima aula, fotos e outras recordações que possam ilustrar uma linha do tempo da vida de cada um.

2.      Solicite aos jovens que ainda não fizeram a apresentação de sua música, que deixem a gravação da música na sala de aula ou a tragam em todas as aulas posteriores de PVC. 

 

 

Instrumentos e critérios de avaliação

§     Apresentações individuais de músicas.

§     Observações, sensações e relações estabelecidas a partir da atividade Estética de si.

§     Relação de atributos que conferem valor à vida.

§     Estilos de vida apresentados pelos jovens.

§     Melhorias efetuadas na proposta do Plano de Vida e Carreira.

 

 
 
 
 

 

 

 

 
%d blogueiros gostam disto: